Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Beija-Flor levanta Sapucaí com homenagem ao Rei

Publicado em 08 de março de 2011

Grande Rio supera dificuldades e faz desfile histórico
Quarta agremiação a desfilar nesta segunda-feira, a Grande Rio entrou na Avenida viveu uma situação totalmente oposta àquela que foi o marco negativo em seu Carnaval para este ano. Depois de ter sido a mais atingida pelo fogo na Cidade do Samba a um mês do Carnaval, a escola se esforçou para colocar um desfile emocionante na Avenida e o fez debaixo de chuva torrencial, despertando o lado místico de muitos sambistas. Com a missão de superar os problemas, o resultado foi surpreendente e o que se viu na Avenida foi uma comunidade aguerrida de uma agremiação que certamente brigaria pelo título, caso não tivesse perdido suas alegorias e fantasias.
Na pista, a escola deixou para trás os problemas e fez uma apresentação apoteótica com seu conjunto de cinco alegorias e quatro tripés. Os componentes cantaram o samba-enredo a plenos pulmões, configurando um dos espetáculos mais emocionantes até o momento.
A comissão de frente, coreografada por Renato Vieira, mostrou um ritual com bruxas e um lobisomem. Em seguida, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Luiz Felipe e Squel – que dançou pela primeira vez junto – mostrou entrosamento e brilhou dentro de um figurino deslumbrante.
Quem também se destacou foi a bateria de Mestre Ciça, que desfilou fantasiada de lobisomem e deu um verdadeiro “sacode”. O prefeito Eduardo Paes veio tocando chocalho na bateria da Tricolor, como fez em todas as escolas atingidas pelo incêndio. A atriz Cris Vianna fez sua estreia como Rainha de bateria e teve uma boa atuação. A mesma sorte não teve a apresentadora Ana Hickman, que desfilou como destaque de chão e tomou um tombo feio devido à pista molhada. No carro de som, o competente intérprete Wantuir garantiu a empolgação dos componentes e interagiu bastante com o público.
O tradicional “bloco” de artistas veio à frente da escola, tendo este ano a ilustre presença de Ronaldinho Gaúcho. O craque já havia desfilado por Portela e Mangueira na noite anterior. Em tal grupo também estava a atriz Paola Oliveira, que foi Rainha de bateria em 2010 e decidiu desfilar neste ano em solidariedade ao drama vivido pela agremiação.
Estreante no Carnaval Carioca, o tenista Gustavo Kuerten desfilou na penúltima alegoria jogando bolinhas para o público e puxava o canto do samba-enredo pelas arquibancadas. Na última alegoria, os funcionários do barracão foram os destaques e emocionaram com os dizeres em sua roupa: “O Sonho não acabou. Aguardem 2012″.
Mesmo diante dos problemas pré-desfile, a Grande Rio desfilou mordida e confirmou a tese defendida por muitos sambistas de que as escolas atingidas pelo incêndio deveriam, sim, ser julgadas igualmente pelos jurados. Para 2012, a Tricolor de Caxias certamente entrará como uma das favoritas ao título.

Porto da Pedra exalta Maria Clara Machado com desfile morno
Quinta escola a desfilar na segunda-feira, a Porto da Pedra levou para a Avenida a história da escritora Maria Clara Machado. Ajudado pela riqueza do tema, o carnavalesco Paulo Menezes conseguiu retratar com clareza a vida e obra da fundadora do Teatro Tablado. Apesar do belo visual, o desfile deixou a desejar no quesito empolgação.

Nas alas, as fantasias primaram pelo bom gosto, com destaque para o figurino do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Diego e Denadyr. A dupla, que dançou junta pela primeira vez, teve algumas dificuldades e poderá perder alguns décimos na avaliação.
Fantasiada de Pluft, o fantasminha (uma das peças da autora), a bateria de mestre Thiago Diogo passou muito bem pela Avenida. Discípulo do lendário Mestre Louro, o jovem diretor desfilou ao lado de colegas, como Odilon e Mug. A atriz Ellen Roche estreou no posto de Rainha de bateria e deu um show de beleza e boa forma. A passagem dos ritmistas foi o ponto alto do desfile: sobre ela vinha um balão gigante que trazia um dos “fantasminhas” suspensos, flutuando sobre a Avenida.
O samba-enredo, apesar de ter uma letra muito bonita, acabou não empolgando, embora tenha tido bela interpretação de Luizinho Andanças – tido como um dos melhores intérpretes do Grupo Especial – no comando do carro de som da escola.
Espalhados em vários pontos da pista, ex-alunos de Maria Clara Machado engrandeceram a festa: Marcius Melhem, Heloísa Perissé, Ingrid Guimarães, Leandro Hassum, Mariana Neiva e Fabiana Karla foram alguns que fizeram questão de participar da homenagem.
Apesar da boa sacada do enredo, a Vermelho e Branco de São Gonçalo mostrou amadurecimento. No entanto, ainda precisa melhorar no quesito vibração e comunicação com as arquibancadas. Com isso, o título ficará para o ano que vem.

Beija-Flor levanta Sapucaí com homenagem ao Rei, mas peca na comissão de frente
Última escola do Grupo Especial a desfilar nesta terça-feira, a Beija-Flor levou para a Sapucaí a vida e a obra do cantor Roberto Carlos. A homenagem encantou o público, mas ficou um pouco aquém do esperado e não arrebatou. Por causa de uma grande quantidade de óleo na pista, deixada por uma alegoria da Porto da Pedra, que desfilou antes, a escola encontrou dificuldades na evolução da comissão de frente e do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira. Apesar do empenho de garis que jogaram serragem no chão, muitos componentes da azul e branco escorregaram e cairam.

Nas alegorias, a azul e branco relembrou momentos da vida do Rei e grandes sucessos do artista. O conjunto de alegorias impressionou pelo tamanho, mas pecou no visual. Os problemas na comissão de Carnaval, que deverão culminar com a saída de Alexandre Louzada, deixaram nítida a certeza de que a diretoria terá que repensar sua diretriz. Faltou qualidade no acabamento dos carros, o que há muitos anos não era visto na agremiação. Já nas fantasias, a proposta de mudança de estilo pretendida, teve mais efeito.
Concebida por Carlinhos de Jesus, a comissão de frente, que contou com a participação ilustríssima da atriz Claudia Raia, teve muitos problemas. Com óleo na pista, o grupo não se apresentou bem para os jurados. Integrantes escorregaram e chegaram a cair diante dos dois primeiros módulos de julgadores para o desespero de Laíla e Anísio.

Antes de começar o desfile, o locutor Jorge Perlingeiro mandou um recado para os jurados e pedindo que fossem desconsiderados todos os eventuais problemas gerados pelo óleo. Quem também sofreu muito foi o casal Claudinho e Selminha Sorriso. A dupla, considerada uma das melhores do ramo, não pôde mostrar o que sabe e passou ‘tímida’ com medo de derrapar na pista oleosa. Uma pena!

A bateria da azul e branco sustentou o samba-enredo de forma mais acelerada do que o habitual. Talvez para imprimir um ritmo mais forte para os componentes e manter a animação das arquibancadas. No comando do carro de som, o veteraníssimo Neguinho da Beija-Flor cantou com todo o fôlego e emocionou.
Diversos amigos de Roberto Carlos participaram da festa. Vanderléia, Erasmo Carlos, Hebe Camargo e Alcione foram alguns dos que marcaram presença nos carros. Bastante sorridente, Roberto Carlos veio na última alegoria, usando camisa azul e calça branco, e foi bastante aplaudido. Primeira colocada no ranking da Liesa, a Beija-Flor não mostrou a força dos anos anteriores, o que poderá adiar o sonho de mais um título.


VOLTAR


Este artigo recebeu 1 comentário

  • Euzeli-ce disse:

    Adorei o desfile do RJ, assisti pela TV. achei que a homenagem feita a Roberto Carlos foi lindissima. Ainda bem que foi em vida, O Rei comprova o tamanho do bem que o Brasil quer a ele. Melhor ainda foi a Beija-Flor ter conseguido a vitória. “Foi Muita Emoção”.


Faça um comentário

Campos com (*) são obrigatórios

Seus dados
Comentário

Copyright © 2010 - quintaldosamba.com - todos os direitos reservados