Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Escolas do Grupo de Acesso temem perder barracões com revitalização do Porto

Publicado em 30 de janeiro de 2011

Rafael Galdo

RIO – Na porta do barracão da Estácio de Sá, na Avenida Venezuela, as obras de revitalização da Zona Portuária avançam rapidamente. Mas o que é uma boa notícia para o Rio virou uma dor de cabeça para as escolas de samba do Grupo de Acesso. O motivo é que, com a recuperação do Porto, essas agremiações, a maioria ocupando galpões do governo federal, temem ser desalojadas.
No caso da Estácio, a escola já foi avisada que, passado o carnaval, o terreno onde confecciona seus carros alegóricos será desapropriado. Diante disso, o presidente da vermelha e branca, Marcos Aurélio Fernandes, afirma que esta semana enviará ao prefeito Eduardo Paes um pedido, em caráter de urgência, de solução para os barracões do Grupo de Acesso.
- Somos favoráveis à revitalização. Mas estamos todos preocupados. Se continuar a indefinição, quem perderá será o carnaval – diz.

“Aqui falta até água”, diz carnavalesco
O barracão da Viradouro, próximo à Rodoviária Novo Rio, foi alvo de uma ação judicial, e, segundo o presidente da escola, Gusttavo Clarão, a agremiação se comprometeu na Riotur a deixar o lugar logo após o carnaval. Na mesma situação de incerteza estão outras escolas tradicionais, como o Império Serrano. Já no chamado “Carandiru do Samba”, galpão no Santo Cristo que reúne em situação precária 11 agremiações, as informações de que o terreno vai abrigar, em breve, instalações dos Jogos Olímpicos de 2016 tiram o sono dos carnavalescos.
- Aqui falta até água. Mas melhor nesse barracão do que sem um lugar para fazer o carnaval. Há pelo menos três anos ouço falar numa espécie de Cidade do Samba 2 – diz Edson Santos, carnavalesco da Renascer de Jacarepaguá.
De acordo com Reginaldo Gomes, presidente da Liga das Escolas de Samba do Grupo de Acesso (Lesga), até agora a entidade não foi comunicada oficialmente sobre a necessidade de agremiações deixarem barracões, mas essa é uma possibilidade iminente.
- Por isso, retomaremos as discussões sobre a construção de um lugar para abrigar as 11 do Acesso A e as 12 do Acesso B – diz ele.
A prefeitura, por sua vez, garante que haverá uma solução para essas agremiações, mas as alternativas estão em estudo.


VOLTAR

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar!


Faça um comentário

Campos com (*) são obrigatórios

Seus dados
Comentário

Copyright © 2010 - quintaldosamba.com - todos os direitos reservados