Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Explode Coração’, do Salgueiro, completa 20 anos de sucesso

Publicado em 21 de janeiro de 2013

Por Flavio Trindade

Rio –  ‘Ô explode coração / Na maior felicidade / É lindo o meu Salgueiro / Contagiando e sacudindo essa cidade’. Até quem era criança ou nasceu após 1993 conhece bem esse refrão. Há 20 anos, o Salgueiro “tomou de assalto” a Marquês de Sapucaí com um desfile, que não foi o melhor plasticamente, mas que se sustentava em um samba-enredo que ficou na memória do povo e levou a escola da Tijuca ao título daquele ano, depois de 17 anos de jejum e provando a velha máxima de que ‘Samba-enredo ganha Carnaval’.
Naquele ano, o Salgueiro contou a história da viagem de navio entre Belém e o Rio de Janeiro, que geralmente era feita em navios com prefixo Ita (Itaquatirara e Itapé, por exemplo), mas foi o samba que ficou marcado.
“Sem dúvida. Não foi o melhor desfile do ponto de vista plástico, mas o samba contagiou o público de tal forma que tornou impossível a derrota do Salgueiro”, lembrou o professor de história do Carnaval, Bruno Fillipo.
Dos compositores da obra-prima, Arizão, Guaracy, Celso Trindade, Bala e Demá Chagas, apenas os dois últimos estão vivos, sendo que Bala está muito doente, impossibilitado de falar. “Fico feliz de ver como o samba ficou na memória. Vejo gente que nasceu após 93 cantar e sempre me emociono”, disse Demá Chagas.
‘Torcedores da Mangueira, Beija-Flor… todo mundo cantava’
Foi na voz do intérprete Quinho que ‘Explode Coração’ caiu na boca do povo. Passados 20 anos do desfile, ele lembra que, logo no início, a torcida na Sapucaí abraçou o samba. “Logo que chegamos no setor 1 e comecei a cantar, o público veio junto e cantou com a gente. E foi assim por todo o tempo de desfile. Parecia que só tinha salgueirense na avenida”, afirmou Quinho.
A opinião é a mesma do autor Demá Chagas. “Foi impressionante. Todo mundo entrou no clima. Torcedor com a camisa da Mangueira, da Beija-Flor, policiais, repórteres. Todo mundo cantava, maravilhado com a passagem do Salgueiro”.
Referência quando o assunto é samba-enredo, Neguinho da Beija-Flor dá a palavra definitiva sobre aquele Carnaval. “O Salgueiro foi a terceira escola a desfilar. Mas quando eu ouvi aquele samba e vi o desfile, sabia que o título estava definido”.
CANTE O SAMBA
Lá vou eu, lá vou eu
Me levo pelo mar da sedução
Sou mais um aventureiro
Rumo ao Rio de Janeiro
Adeus, adeus
Adeus, Belém do Pará
Um dia volto, meu pai
Não chore, pois vou sorrir
Felicidade, o velho Ita vai partir
Oi no balanço das ondas, eu vou
No mar eu jogo a saudade, amor
O tempo traz esperança
E ansiedade
Vou navegando em busca da
felicidade
Em cada porto que passo
Eu vejo e retrato em fantasias
Cultura, folclore e hábitos
Com isso refaço minha alegria
Chego ao Rio de Janeiro
Terra do samba, da mulata
e futebol
Vou vivendo o dia a dia
Embalado na magia
Do seu Carnaval,
Explode Coração
Na maior felicidade
É lindo o meu Salgueiro
Contagiando sacudindo essa
cidade

VOLTAR

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar!


Faça um comentário

Campos com (*) são obrigatórios

Seus dados
Comentário

Copyright © 2010 - quintaldosamba.com - todos os direitos reservados