Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Samba geral de um novo malandro

Publicado em 29 de junho de 2010

Thiago Mariano

No mapa da Lapa do cantor Rogê cabe todo o Rio de Janeiro. E é na confluência dos ritmos mais característicos dos cariocas que ele lança seu terceiro disco, “Fala Geral” (independente, R$ 20 em média).
Radicado na Lapa, onde faz shows quase que diariamente, Rogê é o típico personagem malandro, que não pede distinção, faz samba.
No novo CD, vendido pelo site www.bolachadiscos.com.br, ele joga com o samba, o suíngue – que em certos pontos se estabelece a identificação entre a sonoridade do cantor com Jorge Ben Jor e Bebeto – o jongo, o reggae, a bossa e a música de terreiro.
Mas, apesar da semelhança musical com os grandes ídolos do samba rock da década de 1970 e 1990, o disco inteiro não conserva apenas uma identidade. Nem uniformidade.
Já de entrada, na faixa “Fala Brasil”, se esfacela a imagem de sambista puro, pois a canção vem em bossa, com a luxuosa participação de Daniel Jobim, neto de Tom Jobim, ao piano. A bateria do mestre Wilson das Neves dá compasso de fluidez à composição.
“A Nega e o Malandro”, que vem em seguida, em parceria com Minha Princesa, forma o lado sambalanço de Rogê. E são fogo na pista. Não perdem em nada para os grandes hinos de Ben Jor e Bebeto.
Amor à Favela é um registro à parte. Feita em homenagem a Cartola e com participação do maestro Jacques Morelenbaum, é marcada pela suavidade nos arranjos. Na letra, feita pelo cantor em parceria com Arlindo Cruz, os problemas da favela de hoje, como o crime e o abandono, estão contrapostos aos áureos tempos em que o terreno era profícuo na produção de cultura popular.
“O Guerreiro Segue” e “Mãe Natureza” carregam o reggae ao samba. “São Geraldo” é um rock composto com percussões. “Tempo Virou” fecha o disco em ponto de terreiro, com grande coral de crianças, com versos como “O tempo perfeito é o sem preconceito para a gente se amar/ quando será que esse tempo vai chegar/ que é pra gente cantar”.
Das 11 canções que compõem o álbum, apenas uma não é de sua autoria. Cinco são em parceria com Arlindo Cruz. “Meu Bem Volta Logo” é uma delas – que conta ainda com a assinatura da mulher de Arlindo, Babi Cruz. É o momento mais bonito do disco. Suave, a música é marcada pelas cordas de uma guitarra havaiana.
Mapa da Lapa, com um quê de chorinho e com a cuíca onipresente, faz homenagem à casa de Rogê e dá o toque que lá não é só o reduto do samba: “Tem gente de todo lugar/ é tão democrático”.

Assista ao vídeo com Rogê no Projeto Em Casa


VOLTAR

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar!


Faça um comentário

Campos com (*) são obrigatórios

Seus dados
Comentário

Copyright © 2010 - quintaldosamba.com - todos os direitos reservados