Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Samba se aprende na escola

Publicado em 12 de julho de 2010

ÂNGELA BASTOS

Tem gente que concorda com Noel Rosa: samba não se aprende no colégio. Mas experiências em Florianópolis mostram que a escola pode ajudar na formação de novos músicos.
Um dos exemplos é o Projeto Percussão Popular, da Faculdade Senac. Iniciativa do Ministério do Trabalho e Emprego em parceria com as escolas de samba da cidade, o curso é gratuito e os alunos recebem vale-transporte e material didático. As aulas acontecem no Centro e na Lagoa da Conceição.
O músico Marcelo Dutra, 21 anos, dá aulas em duas turmas. Usa o espaço da Casa da Liberdade, anexo ao sambódromo, e tem cerca de 60 alunos. Os instrumentos são emprestados pela bateria da Protegidos da Princesa, onde é o mestre. Alguns são dos alunos.
Na Lagoa da Conceição, o trabalho é de responsabilidade de André FM. São cerca de 20 alunos. A parceria se deu por meio da União da Ilha da Magia. As aulas são na Estação UIM.
A avaliação do Senac é feita pelo critério competência. O aluno mostra se consegue resolver as atividades.
– O perfil é diversificado e o nível é muito bom. Temos alunos que já estão no mercado da música e que aproveitam para ampliar seus conhecimentos. Tenho certeza que vai sair coisa boa daqui – diz Marcelo Dutra.
Além de dar aulas no Senac, ele trabalha como professor de música contratado pela Secretaria de Assistência Social de Florianópolis – atua na formação de jovens no projeto Pró-Jovem. São 25 alunos.
– Neste caso, mais do que formar músico, o objetivo é o caráter social da atividade. São adolescentes de famílias de baixa renda e que não teriam condições de aprender a tocar em uma escola ou curso particular de música – diz o professor.
Experiência semelhante também desenvolve com a Escola de Samba Mirim Mensageiros da Alegria. Pelas aulas, no Colégio Celso Ramos, componentes da agremiação têm aulas de percussão. O objetivo é formar mestres e diretores de bateria para que a agremiação tenha seus ritmistas.
– Na Ilha, os batuques e ritmos estão disponíveis a quem buscar aprender, ou simplesmente apreciar. Rico ou pobre, quem estiver interessado tem a oportunidade de buscar o conhecimento – observa.
Além do trabalho social, Marcelo está envolvido com o projeto Toque de Mestre, que tem como objetivo maior aproximar os músicos da Ilha de Santa Catarina dos grandes artistas da música brasileira.



VOLTAR

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar!


Faça um comentário

Campos com (*) são obrigatórios

Seus dados
Comentário

Copyright © 2010 - quintaldosamba.com - todos os direitos reservados